Acima disponibilizamos nossa publicação digital Esmeraldas não é Cohab porque tem elevador, de Renan Teles.

Clique no primeiro botão do conjunto superior direito para ver em tela cheia.

Para baixar esta publicação em PDF, escolha o tamanho e clique no ícone abaixo.

1080p

4K

Eduardo Formiguinha, bloco 9 - 75x79cm


Esmeraldas não é Cohab porque tem elevador

Na zona leste de São Paulo, meio Artur Alvim meio Itaquera, onze prédios desajeitados guardam mais de 500 apartamentos com olhos que têm várias vistas: vista para o Pico do Jaraguá azul de tão longe, pro pesqueiro improvisado, pro céu cheio de pássaros de papel, pro horizonte de luzes da cidade ou mesmo pro vizinho do prédio da frente.

O Conjunto Habitacional das Esmeraldas não é Cohab porque Cohab não têm elevador, e lá tem dois em cada prédio. O condomínio é vasto e tem jardins enfeitados com luz verde (e com placas de “proibido pisar na grama”), onde dá pra caminhar em volta (num paisagismo questionável), tem quadras, parquinhos, horta com pé de café e tudo e um estacionamento no qual cresce até erva cidreira pra fazer chá. E é lá onde Renan Teles, morador do bloco 2 desde quase sempre, produz seu trabalho fotografando os esmeraldinos em suas casas ou lá embaixo e depois finaliza no seu ateliê-sala-quarto.

Quando consegue imprimir e pôr na parede, da janela do bloco 1 o Thierry vê. Antes de você. As fotografias às vezes são retratos, mas quando junta uma galera dá pra fazer cenas narrativas das coisas que acontecem por lá. Ou que dizem que acontece. Como aquela história da Fiorino do Anderson. Mas as histórias também surgem na hora da foto, por causa da foto, e o que é posado é vivenciado.

De dia uns trabalham depois de uma ou duas baldeações, outros vão estudar, e outros aproveitam o sol assistindo as crianças andarem de bicicleta depois da escola; mas parece que é à noite, quando o céu fica laranja e o ar fresco, que as pessoas se recolhem nas suas intimidades, elas sonham com o que tiverem que sonhar, em serem reconhecidas, em irem para outro lugar. E então se conectam com os outros esmeraldinos em meio às lâmpadas-lua que abrem caminho dentre as quadras e iluminam os bancos de concreto.

Alguém fotografa.

Nalu Rosa, artista visual